02 16 Mt 9, 14-15 Sexta Teu Pai, que vê no segredo, te dará a recompensa

Agenda litúrgica

2024-02-16

SEXTA-FEIRA depois das Cinzas

Roxo – Ofício da féria.
Missa da féria, pf. da Quaresma.
L 1 Is 58, 1-9a; Sl 50 (51), 3-4. 5.6a. 18-19
Ev Mt 9, 14-15

Tema geral dos temas de hoje

O tema geral desses textos bíblicos é a importância do verdadeiro arrependimento e da sinceridade nas práticas religiosas. O trecho de Isaías 58, 1-9a destaca a diferença entre um jejum superficial e rituais vazios, comparados a um jejum autêntico que envolve justiça, compaixão e serviço aos necessitados. O Salmo 50 (51) reflete o arrependimento sincero, clamando por purificação e um coração renovado diante de Deus.

O Evangelho segundo Mateus 9, 14-15 aborda a questão do jejum, onde Jesus responde a uma pergunta sobre por que Seus discípulos não jejuavam como os outros. Ele destaca a importância de compreender o tempo apropriado e destaca que, na Sua presença, há motivo para alegria, não jejum.

Em resumo, os textos ressaltam a necessidade de uma fé genuína, expressa através de ações justas, arrependimento sincero e uma compreensão do momento espiritual em que estamos, vivendo na alegria da presença de Deus.



* Na Ordem Agostiniana – Pode celebrar-se a memória de B. Simão de Cássia, presbítero.
* Na Ordem de Cister – Pode celebrar-se a memória de S. Pedro de Castelnau.
* No Instituto Missionário da Consolata – B. José Allamano, presbítero, Fundador do Instituto – FESTA
* Na Congregação das Irmãs Servas de Maria Reparadoras – I Vésp. de Santos Sete Fundadores da Ordem dos Servos da Virgem santa Maria

Missa

Antífona de entrada Sl 29, 11
O Senhor ouviu-me e teve compaixão de mim.
O Senhor é o meu auxílio.

Oração coleta
Pela vossa bondade, Senhor,
mostrai-Vos favorável às nossas obras de penitência,
a fim de podermos realizar com espírito sincero
a observância quaresmal que nos impomos.
Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus
e convosco vive e reina, na unidade do Espírito Santo,
por todos os séculos dos séculos.

LEITURA I Is 58, 1-9a
«Será este o jejum que Me agrada»

O jejum é forma tradicional da penitência quaresmal. Embora não necessariamente nos moldes antigos, ele conserva sempre a sua oportunidade. Mas o jejum não se substitui a outras obrigações, à frente das quais estão as da justiça e as da caridade. O jejum, como outras formas de abstinência, são sinais da libertação do nosso espírito, para melhor servirmos a Deus e ao próximo; mas a maior de todas as virtudes é a caridade.

Leitura do Livro de Isaías
Eis o que diz o Senhor Deus: «Clama em altos brados sem cessar, ergue a tua voz como trombeta. Faz ver ao meu povo as suas faltas e à casa de Jacob os seus pecados. Todos os dias Me procuram e desejam conhecer os meus caminhos, como se fosse um povo que pratica a justiça, sem nunca ter abandonado a lei do seu Deus. Pedem-Me sentenças justas, querem que Deus esteja perto de si e exclamam: ‘De que nos serve jejuar, se não Vos importais com isso? De que nos serve fazer penitência, se não prestais atenção?’ Porque nos dias de jejum correis para os vossos negócios e oprimis todos os vossos servos. Jejuais, sim, mas no meio de contendas e discussões e dando punhadas sem piedade. Não são jejuns como os que fazeis agora que farão ouvir no alto a vossa voz. Será este o jejum que Me agrada no dia em que o homem se mortifica? Curvar a cabeça como um junco, deitar-se sobre saco e cinza: é a isto que chamais jejum e dia agradável ao Senhor? O jejum que Me agrada não será antes este: quebrar as cadeias injustas, desatar os laços da servidão, pôr em liberdade os oprimidos, destruir todos os jugos? Não será repartir o teu pão com o faminto, dar pousada aos pobres sem abrigo, levar roupa aos que não têm que vestir e não voltar as costas ao teu semelhante? Então a tua luz despontará como a aurora e as tuas feridas não tardarão a sarar. Preceder-te-á a tua justiça e seguir-te-á a glória do Senhor. Então, se chamares, o Senhor responderá; se O invocares, dir-te-á: ‘Estou aqui’».
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 50 (51), 3-4.5-6a.18-19 (R. 19a)
Refrão: Não desprezeis, Senhor,
o nosso coração humilhado e contrito. Repete-se

Compadecei-Vos de mim, ó Deus, pela vossa bondade,
pela vossa grande misericórdia
apagai os meus pecados.
Lavai-me de toda a iniquidade
e purificai-me de todas as culpas. Refrão
Porque eu reconheço os meus pecados
e tenho sempre diante de mim as minhas culpas.
Pequei, Senhor, contra Vós
e fiz o mal diante dos vossos olhos. Refrão

Não é do sacrifício que Vos agradais
e, se eu oferecer um holocausto, não o aceitareis.
Sacrifício agradável a Deus é o espírito arrependido:
não desprezareis, Senhor,
um espírito humilhado e contrito. Refrão

ACLAMAÇÃO ANTES DO EVANGELHO cf. Am 5,14
Refrão: Glória a Vós, Jesus Cristo, Palavra do Pai. Repete-se
Buscai o bem e não o mal, para que vivais,
e o Senhor estará convosco. Refrão

EVANGELHO Mt 9, 14-15
«Quando o esposo lhes for tirado, jejuarão»

Os dias em que o esposo será tirado é uma alusão à morte de Jesus. Hoje, esses dias – os dois primeiros do Tríduo Pascal – serão os dias de jejum por excelência da comunidade cristã. Ora, a Quaresma prepara para a celebração do Tríduo Pascal. É neste espírito de participação na paixão do Senhor que jejuamos na Quaresma, na forma e na medida em que o acharmos oportuno e a generosidade do nosso coração o inspirar, para morrermos com Ele e com Ele ressuscitarmos.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo, os discípulos de João Baptista foram ter com Jesus e perguntaram-Lhe: «Por que motivo nós e os fariseus jejuamos e os teus discípulos não jejuam?» Jesus respondeu-lhes: «Podem os companheiros do esposo ficar de luto, en¬quanto o esposo estiver com eles? Dias virão em que o esposo lhes será tirado e nessa altura hão-de jejuar».
Palavra da salvação.

Oração sobre as oblatas
O sacrifício que Vos oferecemos, Senhor,
neste tempo santo da Quaresma,
nos torne agradáveis a vossos olhos
e mais diligentes na virtude da temperança.
Por Cristo nosso Senhor.

Prefácio I-VI da Quaresma.

Antífona da comunhão Sl 24, 4
Mostrai-nos, Senhor, os vossos caminhos, ensinai-nos as vossas veredas.
Oração depois da comunhão
Nós Vos pedimos, Deus todo-poderoso,
que a participação nestes santos mistérios
nos purifique dos nossos pecados
e nos sirva de remédio para o corpo e para a alma.
Por Cristo nosso Senhor.

Oração sobre o povo (facultativa)
Deus de misericórdia, concedei que o vosso povo
possa sempre dar graças pelas vossas maravilhas
e, recordando na sua peregrinação terrena os acontecimentos de outrora,
mereça chegar um dia à perpétua visão do vosso rosto.
Por Cristo nosso Senhor.