02 12 LCV  Mc 8, 11-13  Segunda «Porque pede esta geração um sinal?»

Radio Maria – Luz de cada dia

EVANGELHO Mc 8, 11-13
«Porque pede esta geração um sinal?»

Os fariseus aparecem, geralmente, no Evangelho, como seita de gente conservadora, incapaz de se abrir à novidade da mensagem de Jesus: por isso, sempre O espiam, O julgam e O condenam. Hoje pedem-lhe um “sinal do Céu”, um sinal espectacular; mas Jesus não pretende causar impressão por meio de atitudes espectaculares ou pela propaganda consumista. O que Ele quer é a fé, e esta só pode andar ligada à boa intenção e à caridade.
Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo seg. São Marcos
Naquele tempo, apareceram alguns fariseus e começaram a discutir com Jesus. Para O porem à prova, pediam-Lhe um sinal do céu. Jesus suspirou do fundo da alma e respondeu-lhes: «Porque pede esta geração um sinal? Em verdade vos digo: não se dará nenhum sinal a esta geração». Depois deixou-os, voltou a subir para o barco e foi para a outra margem do lago.


Palavra da salvação.

Reflexão

Hoje, somos desafiados a refletir sobre a incredulidade dos fariseus em relação à missão divina de Jesus e a avaliar a autenticidade de nossa própria fé. Os fariseus exigiam provas irrefutáveis de Seu messianismo, mas Jesus recusa-se a dar um sinal espetacular, sublinhando  a importância da fé ligada à boa intenção e caridade.

A história do povo Israelita revela uma tendência de testar constantemente o Senhor em busca de manifestações de poder e bondade. Da mesma forma, quando Jesus estava na cruz, os algozes desafiaram-no a descer para crerem. No entanto, o verdadeiro sinal de Jesus foi a criação de um reino de libertação para os pobres, doentes e marginalizados, formando uma nova família.

Quando Jesus estava prestes a expirar na Cruz os seus algozes diziam entre si: Se és o Filho de Deus e o rei de Israel, desce  agora da cruz e acreditamos.

Também muitas vezes a dor bate à nossa porta. Longe de nos queixarmos a Deus consideremos estes momentos de angústia uma oportunidade para crescermos na Fé e na entrega a exemplo dEle que disse ”Eu vim senhor para fazer a vossa  vontade”.

Peçamos insistentemente a Deus para adquirir a sabedoria da Cruz de modo a realizar a nossa missão. Contagiados pelo seu amor, levemos aos nossos irmãos não crentes a esperança de caminhar com Jesus, para o desafio de Jesus, para o “vem e crê!”

 Oração Pai Santo e misericordioso, que chamais sempre os Vossos filhos com a força e a doçura do amor, quebrai a dureza do nosso orgulho e criai em nós um coração novo, capaz de escutar a vossa Palavra.                                                      

Agenda litúrgica

2024-02-12

SEGUNDA-FEIRA da semana VI

Verde – Ofício da féria.
Missa à escolha.

L 1 Tg 1, 1-11; Sl 118 (119), 67-68. 71-72. 75-76
Ev Mc 8, 11-13
Na leitura de Tiago 1, 1-11, o apóstolo destaca a importância da fé diante das provações, incentivando os crentes a perseverar na confiança em Deus. Ele ressalta a sabedoria divina concedida generosamente aos que buscam com sinceridade. O Salmo 118 (119), nos versículos 67-68, 71-72, 75-76, reflete sobre a disciplina de Deus como algo benéfico, reconhecendo que as adversidades são oportunidades para aprender e crescer na fé. O salmista expressa a compreensão de que a retidão e a justiça divina são fundamentais para a formação espiritual. No Evangelho segundo Marcos 8, 11-13, Jesus confronta a incredulidade dos fariseus, indicando a necessidade de discernimento espiritual diante dos sinais divinos. Ele adverte contra a busca de sinais meramente espetaculares e destaca a importância de uma fé profunda que vai além da demanda por evidências. Estes textos nos convidam a refletir sobre a perseverança na fé, reconhecendo as provações como oportunidades para crescimento espiritual, e a importância de uma fé madura que vai além das expectativas superficiais.* O

Missa

Antífona de entrada Cf. Sl 30, 3-4
Sede a rocha do meu refúgio, Senhor,
e a fortaleza da minha salvação.
Para glória do vosso nome, guiai-me e conduzi-me.

Oração coleta
Senhor nosso Deus,
que prometestes estar presente
nos corações retos e sinceros,
ajudai-nos, com a vossa graça, a viver de tal modo
que mereçamos ser vossa morada.
Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus
e convosco vive e reina, na unidade do Espírito Santo,
por todos os séculos dos séculos.

LEITURA I (anos pares) Tg 1, 1-11
«A vossa fé, assim provada, produz a constância,
para serdes perfeitos e irrepreensíveis»

O tempo da vida é tempo de provação. São Tiago recomenda aos cristãos as necessárias atitudes fundamentais para que estes se mantenham fiéis no meio de todas as provações da vida, a saber: a paciência ou constância, a sabedoria, a oração feita com fé e o sentido de acção de graças e de modéstia nas horas de maior felicidade.

Início da Epístola de São Tiago
Tiago, servo de Deus e do Senhor Jesus Cristo, saúda as doze tribos que vivem na dispersão. Meus irmãos, considerai como motivo de grande alegria as diversas provações por que tendes passado. Vós sabeis que a vossa fé, assim provada, produz a constância. A constância, por sua vez, deve ser exercida plenamente, para serdes perfeitos e irrepreensíveis, sem nenhuma deficiência. Se algum de vós tem falta de sabedoria, deve pe¬di-la a Deus, que a dá a todos sem reserva nem recriminações, e ela lhe será concedida. Mas deve pedi-la com fé, sem qualquer hesitação, pois aquele que hesita é semelhante às ondas do mar, agitadas pelo vento e lançadas de um para outro lado. Quem é assim não pense que receberá do Senhor coisa alguma, porque é homem de espírito indeciso, inconstante em tudo o que faz. O irmão de condição humilde deve ter muita honra em se ver elevado por Deus e o rico em tomar uma posição modesta, porque passará como a flor do campo. Nasce o sol com os seus ardores e seca a erva; cai a flor e desaparece a sua formosura. Assim murchará o rico nos seus empreendimentos.
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 118 (119), 67-68.71-72.75-76 (R. 77a)
Refrão: Desça sobre mim a vossa misericórdia, Senhor,
e viverei. Repete-se

Errei antes de ser atribulado,
mas agora cumpro a vossa palavra.
Vós sois bom e generoso:
ensinai-me os vossos decretos. Refrão

Foi bom para mim ter sido atribulado,
para aprender os vossos preceitos.
Para mim vale mais a lei da vossa boca
do que milhões em ouro e prata. Refrão

Senhor, eu sei que os vossos juízos são justos
e que a vossa fidelidade me põe à prova.
Console-me a vossa bondade,
segundo a promessa que fizestes ao vosso servo. Refrão

ALELUIA Jo 14, 6
Refrão: Aleluia Repete-se
Eu sou o caminho, a verdade e a vida, diz o Senhor.
Ninguém vai ao Pai senão por Mim. Refrão

EVANGELHO Mc 8, 11-13
«Porque pede esta geração um sinal?»

Os fariseus aparecem, geralmente, no Evangelho, como seita de gente conservadora, incapaz de se abrir à novidade da mensagem de Jesus: por isso, sempre O espiam, O julgam e O condenam. Hoje pedem-lhe um “sinal do Céu”, um sinal espectacular; mas Jesus não pretende causar impressão por meio de atitudes espectaculares ou pela propaganda consumista. O que Ele quer é a fé, e esta só pode andar ligada à boa intenção e à caridade.
Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo seg. São Marcos
Naquele tempo, apareceram alguns fariseus e começaram a discutir com Jesus. Para O porem à prova, pediam-Lhe um sinal do céu. Jesus suspirou do fundo da alma e respondeu-lhes: «Porque pede esta geração um sinal? Em verdade vos digo: não se dará nenhum sinal a esta geração». Depois deixou-os, voltou a subir para o barco e foi para a outra margem do lago.
Palavra da salvação.

Oração sobre as oblatas
Concedei, Senhor, que estes dons sagrados
nos purifiquem e renovem,
para que, obedecendo sempre à vossa vontade,
alcancemos a recompensa eterna.
Por Cristo nosso Senhor.

Antífona da comunhão Sl 77, 29-30
O Senhor deu-lhes o pão do céu:
comeram e ficaram saciados.

Ou: Jo 3, 16
Deus amou de tal modo o mundo que lhe deu o seu Filho unigénito.
Quem acredita n’Ele tem a vida eterna.

Oração depois da comunhão
Senhor, que nos alimentastes com o pão do céu,
fazei que busquemos sempre
aquelas realidades que nos dão a verdadeira vida.
Por Cristo nosso Senhor.