Peregrino da Palavra

 

1108 João 2, 13-22   Segunda  Feira da XXII Semana do tempo comum 

    Os cristãos têm como  objetivo proposto por Jesus: Amai vos uns aos outros como eu vos amei .Por isso as suas relações devem ser  de fraternidade e de respeito mútuos. 

   Jesus adverte que os recém convertidos merecem uma atenção especial Não devem ser tratadas com intolerância e impaciência por quem se considera firme e maduro na sua adesão a Jesus. O verdadeiro cristão deve evitar o escândalo isto é fazer com que os iniciados acabem  por abandonarem sua caminhada de fé.  

   O escandalo atinge o próprio Deus. Daí o castigo terrível que Jesus sugeriu para quem escandalizar um pequenino. Ele conhece a fraqueza humana, o Pai sabe que ninguém é capaz de atingir a maturidade da fé, da noite para o dia.Ele acompanha com  carinho e paciência, cada discípulo do Reino que se esforça para crescer na fé.

     É  obrigação da comunidade colaborar para que os pequeninos, apesar de suas quedas, sigam adiante, fazendo amadurecer sempre mais a própria fé.

1110 Lucas 17,11-19 S. Leão Magno Quarta Feira da XXII Semana do tempo comum 

Saber agradecer 

Reconhecer os favores recebidos de Deus é obra de pessoa nobre.. Tal como hoje , nos tempos de Jesus a ingratidão leva sempre a dianteira

Foram dez leprosos só um teve a gentileza de voltar para agradecer a Jesus. Quem era?Um  estrangeiro, um excluído e desprezado como pagão. Só ele foi capaz de glorificar a Deus, cujo Reino se fez presente em sua vida pela ação de Jesus. O gesto de adoração do samaritano, prostrado com o rosto em terra, aos pés do Mestre, demonstrou a consolidação de sua fé naquele, a quem recorrera com tanta confiança. E foi salvo pela fé.

Os outros nove curados esqueceram-se  de que haviam recebido um dom totalmente gratuitoÉ a ingratidão de quem, sendo agraciado com os benefícios divinos, permanece fechado aos apelos do Reino de Deus.

1111 Lucas 17,20-25 S. Martinho  XXII Quinta  Semana do tempo comu

O REINO ESTÁ ENTRE VÓS

No tempo de Jesus, os judeus oprimidos pelo jugo romano clamavam a Javé por libertação. Expressavam a angústia com salmos e cantos que hoje os cristãos expressam em tempos do Advento : Quando virá Senhor o dia em que apareça o salvador ….
em que sejamos governados apenas por Deus. A festa da Páscoa era uma ocasião excelente para fazer reacender a esperança de libertação.

Jesus tinha uma outra atitude perante os acontecimentos e sabia qual a verdeira ação de Deus na história humana. Por isso fez sentir aos seus conterrâneos a responsabilidade humana de preparar-se, com toda liberdade e seriedade, para o encontro com o Senhor sem necessidade de fatos extraordinários . 

O  Reino já tinha despontado no meio do povo, na pessoa de Jesus, o Filho do Homem. As suas palavras e os seus gestos anunciavam o começo de uma nova história onde  Deus exercia o senhorio absoluto.

Deixemos que Ele entre dentro de nós, aceitemo-lo como  Senhor de nossa  vida, tornemo-mos semente do novo reino através do testemunho de Amor aos nossos irmãos. 

1112 Lucas 17,26-37 S. Josafá bispo e Mártir   Sexta Feira da XXII Semana do tempo comum 

O DIA DO FILHO DO HOMEM
   Muitos cristãos  da comunidade primitiva, desiludidos por ver goradas as suas esperanças do fim do mundo acomodaram-se às circunstâncias, desanimaram Esta mensagem do Evangelho constitui um alerta  para eles e também para nós hoje . A nosa atitude pessimista leva-nos a esmorecer na caridade. Olhemos em frente , não esmoreçamos na caridade e mantenhamos sepre viva a chama da esperança  

    Tal como os  discípulos de Jesus somos convidados a não sermos tomados de surpresa  como havia acontecido com o povo por ocasião do dilúvio. Sua vida despreocupada, centrada nos prazeres, dispensava Deus e seus apelos de conversão. Esse povo preferiu levar uma vida de impiedade, indo de pecado em pecado, como se o seu futuro já estivesse garantido.

    Imitemos o  justo Noé, temente a Deus e submisso à sua vontade., manteve-se -se fiel a Deus e não se desviando pelo caminho do mal.

    Não nos acomodemos …perseveremos no amor e na misercórdia. Embora veja a fé de muita gente arrefecer, persevera na prática do amor e da misericórdia. É a forma de conservar sua vida, como Jesus recomendou. Sintamos o efeito consoladora desta passagem para todos os mártires da fé “ Quem perseverar até ao fim será salvo Mateus 24:9-13 “Então sereis entregues a tortura, e vos matarão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome. Nesse tempo muitos hão de se escandalizar, e trair-se uns aos outros, e mutuamente se odiarão. Igualmente hão de surgir muitos falsos profetas, e enganarão a muitos; e, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriará. Mas quem perseverar até o fim, esse será salvo.”

Oração

     Senhor Jesus, que eu não caia num estilo de vida acomodado, esquecendo-me de que é pela prática do amor e da misericórdia, que eu me preparo para o encontro contigo.

1113 Lucas 18,1-8 Sábado  da XXII Semana do tempo comum 

ORAR SEM DESANIMAR

Um fato da da vida cotidiana proporcionou a Jesus recomendar aos  discípulos a constante oração persistente e esperançosa de serem atendidos  atendidos por Deus. A pobre viúva não conseguia valer os seus  direitos. Recorre a  um juiz descrente .  Apesar de estar em  total desvantagem diante do explorador, esta grande mulher embora  sem prestigio, sem recursos materiais  sem qualquer amparo social  não se deu por vencida. Enfrentou a situação, com garra e determinação, até que o juiz fizesse valer o seu direito. Sua vitória foi fruto da perseverança. Como outrora com os discípulos e como agora conossco o convite é o mesmo :  Recorramos a Deus com perseverança na certeza de sermos atendidos pelo Pai de misericórdia. 

Segundo nos diz S. Paulo: el. Existia, realmente, no coração dos discípulos, uma fé assim?

1114  Mc 13, 24-32 Domingo do  XXXIII do tempo  Comum  

Comentário ao Evangelho

MINHAS PALAVRAS NÃO PASSARÃO

O pensamento teológico da época expressava o fim dos tempos, a intervenção de Deus na história  através de abalos sísmicos e outros fenômenos terríveis, 

Jesus não tinha intenção de incutir terror no coração dos discípulos e convertê-los em fanáticos anunciadores do fim do mundo. Desejava sim que eles permanecessem vigilantes, de maneira a estarem sempre preparados para o encontro com o Senhor.

Através da parábola da  da figueira explica melhor o objetivo da sua mensagem.  O agricultor atento sabe quando a árvore está para frutificar. Igualmente, o discípulo, quando discerne, sabe reconhecer quando se aproxima a vinda do Senhor, e tem consciência de estar preparado para recebê-lo.

A exortação de Jesus não tem um tempo limitado de validade. Seu valor é eterno, como eternas são todas as palavras de Jesus. Elas não passarão, embora tudo o mais perca seu valor. Assim, é absolutamente certa a vinda do Filho do Homem e a necessidade de manter-se vigilante e preparado para acolhê-lo. É, também, firme a palavra do Senhor que apresenta o amor como critério do juízo final, a recompensa para quem se mantiver fiel e a comunhão definitiva com o Pai, como destino último do cristão. Por conseguinte, o discípulo sensato deixa-se guiar pelas palavras de Jesus, de forma a evitar contratempos.