08 17 Mt 20, 1-16a Quarta feira da semana XX – s. beatriz

EVANGELHO Mt 20, 1-16a
«Serão maus os teus olhos porque eu sou bom?»

Nesta parábola, Jesus quer fazer-nos compreender que a bondade de Deus ultrapassa muito os critérios humanos. Os trabalhadores da última hora receberam tanto como os da primeira. Estes, porém, não foram tratados com injustiça: receberam o que tinha sido ajustado. Mas a parábola tem certamente alcance mais vasto: a Igreja dos pagãos, chegados no fim dos judeus, e que foram igualmente acolhidos por misericórdia!

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos a seguinte parábola: «O reino dos Céus pode comparar-se a um proprietário, que saiu muito cedo a contratar trabalhadores para a sua vinha. Ajustou com eles um denário por dia e mandou-os para a sua vinha. Saiu a meia manhã, viu outros que estavam na praça ociosos e disse-lhes: ‘Ide vós também para a minha vinha e dar-vos-ei o que for justo’. E eles foram. Voltou a sair, por volta do meio-dia e pelas três horas da tarde, e fez o mesmo. Saindo ao cair da tarde, encontrou ainda outros que estavam parados e disse-lhes: ‘Porque ficais aqui todo o dia sem trabalhar?’. Eles responderam-lhe: ‘Ninguém nos contratou’. Ele disse-lhes: ‘Ide vós também para a minha vinha’. Ao anoitecer, o dono da vinha disse ao capataz: ‘Chama os trabalhadores e paga-lhes o salário, a começar pelos últimos e a acabar nos primeiros’. Vieram os do entardecer e receberam um denário cada um. Quando vieram os primeiros, julgaram que iam receber mais, mas receberam também um denário cada um. Depois de o terem recebido, começaram a murmurar contra o proprietário, dizendo: ‘Estes últimos trabalharam só uma hora e deste-lhes a mesma paga que a nós, que suportámos o peso do dia e o calor’. Mas o proprietário respondeu a um deles: ‘Amigo, em nada te prejudico. Não foi um denário que ajustaste comigo? Leva o que é teu e segue o teu caminho. Eu quero dar a este último tanto como a ti. Não me será permitido fazer o que quero do que é meu? Ou serão maus os teus olhos porque eu sou bom?’. Assim, os últimos serão os primeiros e os primeiros serão os últimos».
Palavra da salvação.

«Serão maus os teus olhos porque eu sou bom?» Mt 20, 1-16a
Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos a seguinte parábola: «O reino dos Céus pode comparar-se a um proprietário, que saiu muito cedo a contratar trabalhadores para a sua vinha. Ajustou com eles um denário por dia e mandou-os para a sua vinha. Saiu a meia manhã, viu outros que estavam na praça ociosos e disse-lhes: ‘Ide vós também para a minha vinha e dar-vos-ei o que for justo’. E eles foram. Voltou a sair, por volta do meio-dia e pelas três horas da tarde, e fez o mesmo. Saindo ao cair da tarde, encontrou ainda outros que estavam parados e disse-lhes: ‘Porque ficais aqui todo o dia sem trabalhar?’. Eles responderam-lhe: ‘Ninguém nos contratou’. Ele disse-lhes: ‘Ide vós também para a minha vinha’. Ao anoitecer, o dono da vinha disse ao capataz: ‘Chama os trabalhadores e paga-lhes o salário, a começar pelos últimos e a acabar nos primeiros’. Vieram os do entardecer e receberam um denário cada um. Quando vieram os primeiros, julgaram que iam receber mais, mas receberam também um denário cada um. Depois de o terem recebido, começaram a murmurar contra o proprietário, dizendo: ‘Estes últimos trabalharam só uma hora e deste-lhes a mesma paga que a nós, que suportámos o peso do dia e o calor’. Mas o proprietário respondeu a um deles: ‘Amigo, em nada te prejudico. Não foi um denário que ajustaste comigo? Leva o que é teu e segue o teu caminho. Eu quero dar a este último tanto como a ti. Não me será permitido fazer o que quero do que é meu? Ou serão maus os teus olhos porque eu sou bom?
Assim, os últimos serão os primeiros e os primeiros serão os últimos».
Palavra da salvação.
REFLEXÃO
Hoje em Mt 20, 1-16 somos convidados a meditar sobre trabalhadores da vinha …Um proprietário contrata jornaleiros em diversas horas do dia e no final paga a todos o mesmo salário, atitude contestada pelos primeiros pois tinham trabalhado mais .Este, porém explica que não se considera injusto, mas generoso porque dá aos últimos o mesmo que aos primeiros.
Nesta parábola o patrão generoso representa Deus, os trabalhadores os homens e o trabalho na vinha o seu serviço. A intenção original da parábola na boca de Jesus é dirigida aos fariseus. Estes criticavam o mestre porque acolhia a escória religiosa: pecadores e publicanos. Jesus demonstra com a sua parábola o proceder bondoso de Deus, no qual Ele se apoia. “Assim, os últimos serão os primeiros e os primeiros os últimos”.
Os primeiros chamados ao reino de Deus eram os fariseus, assim como todo o povo judeu no seu conjunto, herdeiro das promessas de Deus. Os últimos, por seu lado, são os pecadores que Jesus veio procurar e que, convidados por ele, têm parte no Reino de salvação.
A parábola não vem justificar uma suposta injustiça ou uma indiferença religiosa, amparando-se na bondade divina. O que Jesus afirma é a gratuitidade do amor de Deus ao homem, um pai amoroso que sai ao encontro de todo o que o procura mediante uma sincera conversão.
Perante Deus não há monopólios exclusivistas nem tem cabimento a pretensão de manipular a sua liberdade de acordo com os nossos egoísmos pessoais.
Jesus revela-nos, nesta Parábola, a imagem de seu Pai, um Deus compassivo e misericordioso e contradiz a ideia de um Deus juiz implacável fiscal de condutas e bens…
Aceitemos este Deus nas nossas vidas para serenamente trabalharmos na sua vinha e entregarmo-nos à sua misericórdia
ORAÇÃO
Concedei-nos, Deus nosso Pai, a graça de trabalhar no vosso reino com a alegria de vos servir de todo o coração e de nos sentirmos felizes por aceitares todos os homens independentemente do dia em que entraram no vosso campo da evangelização
Pe. Abílio Nunes, SDB
Manuela Brilhante, Julieta Lourenço e 17 outras pessoas
1 partilha
Gosto

 

Comentar
Partilhar

Agenda litúrgica

2022-08-17

Quarta-feira da semana XX

S. Beatriz da Silva, virgem – MO
Branco – Ofício da memória.
Missa da memória.

L1: Ez 34, 1-11; Sal 22 (23), 1-3a. 3b-4. 5. 6
Ev: Mt 20, 1-16a

(Missal Romano: a celebração de 1 de Setembro passou para hoje)

* Na Ordem Agostiniana – S. Clara da Cruz de Montefalco, virgem – FESTA
* Na Ordem Carmelita – B. Ângelo Mazzinghi, presbítero – MF
* Na Ordem Franciscana – S. Beatriz da Silva, virgem – MO
* Na Ordem da Imaculada Conceição – S. Beatriz da Silva, virgem, Fundadora da Ordem – SOLENIDADE
* Na Ordem de São Domingos – S. Jacinto da Polónia, presbítero – MO

 

Missa

 

Antífona de entrada Sl 83, 10-11
Senhor Deus, nosso protetor, ponde os olhos no rosto do vosso Ungido.
Um dia em vossos átrios vale mais de mil longe de Vós.

Oração coleta
Senhor nosso Deus,
que preparastes bens invisíveis para aqueles que Vos amam,
infundi em nós o vosso amor,
para que, amando-Vos em tudo e acima de tudo,
alcancemos as vossas promessas, que excedem todo o desejo.
Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus
e convosco vive e reina, na unidade do Espírito Santo,
por todos os séculos dos séculos.

LEITURA I (anos pares) Ez 34, 1-11
«Salvarei as minhas ovelhas da sua boca
e elas deixarão de ser uma presa para eles»

Os chefes do povo de Deus tinham-se tornado maus guias para esse povo. O Senhor anuncia agora que Ele mesmo Se vai tornar o pastor do seu povo e Ele mesmo o salvará, já que os seus chefes se tinham tornado egoístas e desinteressados; o próprio Deus Se apresenta como verdadeiro Pastor. Jesus um dia assim Se apresenta: “Eu sou o Bom Pastor”, e não poderá haver melhor!

Leitura da Profecia de Ezequiel
O Senhor dirigiu-me a palavra, dizendo: «Filho do homem, profetiza contra os pastores de Israel, profetiza e diz a esses pastores: Assim fala o Senhor Deus: Ai dos pastores de
Israel, que se apascentam a si mesmos! Não deviam os pastores apascentar o rebanho? Vós, porém, bebeis o leite, vestis-vos com a lã, matais as ovelhas mais gordas, mas não apascentais o rebanho. Não fortalecestes as ovelhas débeis, não tratastes as que andavam doentes, nem curastes as que estavam feridas. Não reconduzistes a ovelha tresmalhada, nem pro¬¬curastes a que andava perdida, mas a todas dominastes com crueldade e violência. Elas dispersaram-se por falta de pastor e na debandada tornaram-se presa de todos os animais selvagens. As minhas ovelhas andam errantes por toda a parte, sobre as montanhas e sobre as colinas, dispersaram-se por toda a superfície da terra. Ninguém se interessa por elas, ninguém as procura. Por isso, pastores, escutai a palavra do Senhor: Pela minha vida – diz o Senhor Deus – Eu vos asseguro: Porque as minhas ovelhas, por falta de pastor, foram entregues à pilhagem e se tornaram presa de todos os animais selvagens; porque os meus pastores não se preocupam com o meu rebanho, mas apascentam-se a si mesmos, em vez de apascentar as minhas ovelhas; por isso, pastores, escutai a palavra do Senhor: Assim fala o Senhor Deus: Eu vou pedir contas aos pastores, vou exigir-lhes que entreguem as minhas ovelhas; hei-de impedi-los de apascentar o meu rebanho e os pastores não mais se apascentarão a si mesmos. Salvarei as minhas ovelhas da sua boca e elas deixarão de ser uma presa para eles. Assim fala o Senhor Deus: Eu próprio irei em busca das minhas ovelhas, Eu próprio cuidarei do meu rebanho».
Palavra do Senhor.

SALMO RESPONSORIAL Salmo 22 (23), 1-3a.3b-4.5.6 (R. 1)
Refrão: O Senhor é meu pastor: nada me faltará. Repete-se

O Senhor é meu pastor: nada me falta.
Leva-me a descansar em verdes prados,
conduz-me às águas refrescantes
e reconforta a minha alma. Refrão

Ele me guia por sendas direitas por amor do seu nome.
Ainda que tenha de andar por vales tenebrosos,
não temerei nenhum mal, porque Vós estais comigo:
o vosso cajado e o vosso báculo
me enchem de confiança. Refrão

Para mim preparais a mesa
à vista dos meus adversários;
com óleo me perfumais a cabeça
e o meu cálice transborda. Refrão

A bondade e a graça hão-de acompanhar-me
todos os dias da minha vida,
e habitarei na casa do Senhor
para todo o sempre. Refrão

ALELUIA Hebr 4, 12
Refrão: Aleluia Repete-se
A palavra de Deus é viva e eficaz,
conhece os pensamentos e intenções do coração. Refrão

EVANGELHO Mt 20, 1-16a
«Serão maus os teus olhos porque eu sou bom?»

Nesta parábola, Jesus quer fazer-nos compreender que a bondade de Deus ultrapassa muito os critérios humanos. Os trabalhadores da última hora receberam tanto como os da primeira. Estes, porém, não foram tratados com injustiça: receberam o que tinha sido ajustado. Mas a parábola tem certamente alcance mais vasto: a Igreja dos pagãos, chegados no fim dos judeus, e que foram igualmente acolhidos por misericórdia!

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos a seguinte parábola: «O reino dos Céus pode comparar-se a um proprietário, que saiu muito cedo a contratar trabalhadores para a sua vinha. Ajustou com eles um denário por dia e mandou-os para a sua vinha. Saiu a meia manhã, viu outros que estavam na praça ociosos e disse-lhes: ‘Ide vós também para a minha vinha e dar-vos-ei o que for justo’. E eles foram. Voltou a sair, por volta do meio-dia e pelas três horas da tarde, e fez o mesmo. Saindo ao cair da tarde, encontrou ainda outros que estavam parados e disse-lhes: ‘Porque ficais aqui todo o dia sem trabalhar?’. Eles responderam-lhe: ‘Ninguém nos contratou’. Ele disse-lhes: ‘Ide vós também para a minha vinha’. Ao anoitecer, o dono da vinha disse ao capataz: ‘Chama os trabalhadores e paga-lhes o salário, a começar pelos últimos e a acabar nos primeiros’. Vieram os do entardecer e receberam um denário cada um. Quando vieram os primeiros, julgaram que iam receber mais, mas receberam também um denário cada um. Depois de o terem recebido, começaram a murmurar contra o proprietário, dizendo: ‘Estes últimos trabalharam só uma hora e deste-lhes a mesma paga que a nós, que suportámos o peso do dia e o calor’. Mas o proprietário respondeu a um deles: ‘Amigo, em nada te prejudico. Não foi um denário que ajustaste comigo? Leva o que é teu e segue o teu caminho. Eu quero dar a este último tanto como a ti. Não me será permitido fazer o que quero do que é meu? Ou serão maus os teus olhos porque eu sou bom?’. Assim, os últimos serão os primeiros e os primeiros serão os últimos».
Palavra da salvação.

Oração sobre as oblatas
Aceitai, Senhor, a nossa oblação,
na qual se realiza a gloriosa permuta de dons,
de modo que, oferecendo-Vos o que nos destes,
mereçamos receber-Vos a Vós mesmo.
Por Cristo nosso Senhor.

Antífona da comunhão Sl 129, 7
No Senhor está a misericórdia,
no Senhor está a plenitude da redenção.

Ou: Cf. Jo 6, 51
Eu sou o pão vivo descido do céu, diz o Senhor.
Quem comer deste pão viverá eternamente.

Oração depois da comunhão
Senhor, que neste sacramento
nos fizestes participar mais intimamente no mistério de Cristo,
transformai-nos à sua imagem na terra
para merecermos ser associados à sua glória no céu.
Ele que vive e reina pelos séculos dos séculos.