08 14 Lc 12, 32-48 Domingo

08 14 Lc 12, 32-48 Domingo

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Não temas, pequenino rebanho, porque aprouve ao vosso Pai dar-vos o reino. Vendei o que possuís e dai-o em esmola. Fazei bolsas que não envelheçam, um tesouro inesgotável nos Céus, onde o ladrão não chega nem a traça rói. Porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará o vosso coração. Tende os rins cingidos e as lâmpadas acesas. Sede como homens que esperam o seu senhor ao voltar do casamento, para lhe abrirem logo a porta, quando chegar e bater. Felizes esses servos, que o senhor, ao chegar, encontrar vigilantes. Em verdade vos digo: cingir-se-á e mandará que se sentem à mesa e, passando diante deles, os servirá. Se vier à meia-noite ou de madrugada, felizes serão se assim os encontrar. Compreendei isto: se o dono da casa soubesse a que hora viria o ladrão, não o deixaria arrombar a sua casa. Estai vós também preparados, porque na hora em que não pensais virá o Filho do homem». Disse Pedro a Jesus: «Senhor, é para nós que dizes esta parábola, ou também para todos os outros?». O Senhor respondeu: «Quem é o administrador fiel e prudente que o senhor estabelecerá à frente da sua casa, para dar devidamente a cada um a sua ração de trigo? Feliz o servo a quem o senhor, ao chegar, encontrar assim ocupado. Em verdade vos digo que o porá à frente de todos os seus bens. Mas se aquele servo disser consigo mesmo: ‘O meu senhor tarda em vir’, e começar a bater em servos e servas, a comer, a beber e a embriagar-se, o senhor daquele servo chegará no dia em que menos espera e a horas que ele não sabe; ele o expulsará e fará que tenha a sorte dos infiéis. O servo que, conhecendo a vontade do seu senhor, não se preparou ou não cumpriu a sua vontade, levará muitas vergastadas. Aquele, porém, que, sem a conhecer, tenha feito acções que mereçam vergastadas, levará apenas algumas. A quem muito foi dado, muito será exigido; a quem muito foi confiado, mais se lhe pedirá».
***************************************************
REFLEXÃO
A intenção da parábola é acentuar a inesperada vinda de Cristo que requer uma atitude de vigilância do servo que espera o seu senhor
. A parábola do porteiro  também nos quer admoestar : “E o que vos digo, digo a todos: Vigiai!” (Mc 13,37). Os que  seguem Jesus devem estar alertas  na fé e na caridade durante a ausência de Cristo.
Seguir Jesus como discípulo tem um preço, inclusivamente o da vida.. Não há outro modo de ser cristão senão amando incondicionalmente a Jesus
ORAÇÃO
Purifica-nos, Senhor, com o fogo do vosso Espírito para que, vos sirvamos alegres na fidelidade quotidiana.
**********************************************************************************************************
REFLEXÃO (forma longa)
O evangelho de hoje consta de duas parábolas de Jesus: O ladrão e o mordomo A vinda de Cristo, é comparada à chegada do ladrão na noite. A intenção da parábola é não tanto fomentar o temor e a angústia, mas acentuar a inesperada vinda de Cristo que requer uma atitude de vigilância.
A segunda parábola com a imagem do mordomo diz o mesmo. Pedro faz uma ligação entre as duas parábolas pois pergunta ao Mestre se as parábolas se aplicam aos apóstolos ou para todos em geral
Jesus responde-lhe com a parábola do servo de confiança, colocado pelo amo à frente da criadagem da sua casa. A sua fidelidade será posta à prova com o atraso do regresso do seu senhor
O evangelista termina com parábola chamada do porteiro, cuja conclusão na boca de Jesus é esta: “E o que vos digo, digo a todos: Vigiai!” (Mc 13,37). É todo o grupo dos que seguem Jesus que deve manter-se alerta na fé e na caridade durante a ausência de Cristo.
Jesus propõe-nos uma entrega total e a plena disponibilidade perante Deus, dando primazia ao valor do seguimento do Reino sobre todo o afeto familiar e apego material. Seguir Jesus como discípulo tem um preço, inclusivamente o da vida.
Ser discípulo de Cristo é uma entrega total, uma rendição sem condições. Assim o exige a índole e a urgência do reino de Deus, perante o qual tudo é relativo: os afetos familiares, os bens materiais e inclusivamente a própria vida. Não há outro modo de ser cristão senão amando incondicionalmente a Jesus, encarnação pessoal do reinado de Deus na nossa vida.
ORAÇÃO
Purifica-nos, Senhor, com o fogo do vosso Espírito para que, renovados na opção do nosso batismo vos sirvamos alegres na fidelidade quotidiana.
Assim cantaremos eternamente as vossas misericórdias e anunciaremos a vossa fidelidade por todas as idades. Amen.