1113 Lucas 18,1-8 Sábado  da  XXII Semana do tempo comum 

Evangelho (Lucas 18,1-8) Aleluia, aleluia, aleluia.

Evangelho do dia: Parábola do juiz e da viúva (Lc 18,1-8) – Oratório São  Luiz

Pelo evangelho o Pai nos chamou, a fim de alcançarmos a glória de nosso Senhor Jesus Cristo (2Ts 2,14).

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas.

Naquele tempo, 18 1Jesus propôs aos seus discípulos uma parábola para mostrar que é necessário orar sempre sem jamais deixar de fazê-lo.

2″Havia em certa cidade um juiz que não temia a Deus, nem respeitava pessoa alguma.

3Na mesma cidade vivia também uma viúva que vinha com freqüência à sua presença para dizer-lhe: ‘Faze-me justiça contra o meu adversário’.

4Ele, porém, por muito tempo não o quis. Por fim, refletiu consigo: ‘Eu não temo a Deus nem respeito os homens;

5todavia, porque esta viúva me importuna, far-lhe-ei justiça, senão ela não cessará de me molestar'”.

6Prosseguiu o Senhor: “Ouvis o que diz este juiz injusto?

7Por acaso não fará Deus justiça aos seus escolhidos, que estão clamando por ele dia e noite? Porventura tardará em socorrê-los?

8Digo-vos que em breve lhes fará justiça. Mas, quando vier o Filho do Homem, acaso achará fé sobre a terra?”

Palavra da Salvação.

REFLEXÃO

ORAR SEM DESANIMAR

            Jesus serviu-se de um fato da vida cotidiana para recomendar aos discípulos a rezar sem desanimar, e manter firme a esperança de serem atendidos por Deus.

            Uma pobre viúva, não tendo como fazer valer seus direitos, recorreu a um juiz, cuja fama era de não ser temente a Deus, nem ter respeito pelas pessoas. Por ser mulher, pobre e viúva, ela estava em total desvantagem. Sendo mulher, não tinha nenhum prestígio, numa sociedade onde só o homem tinha valor. Sendo pobre, carecia de recursos materiais para se confrontar com o explorador. Sendo viúva, não tinha amparo social. Sem dinheiro, só podia contar com a honestidade dos juízes. Ela, porém, não se deu por vencida. Enfrentou a situação, com garra e determinação, até que o juiz fizesse valer o seu direito. Sua vitória foi fruto da perseverança.

            Diante disso, os discípulos foram instados a recorrer, com perseverança a Deus, justo juiz, na certeza de serem atendidos. Se um juiz iníquo, sem fé e sem lei, foi demovido de sua insensibilidade por causa da insistência de uma pobre viúva, de quanto mais será capaz o discípulo que pede, sem desfalecer, ao Pai de misericórdia!

            Todavia, é preciso ter uma fé inabalável. Existia, realmente, no coração dos discípulos, uma fé assim?

Oração

Senhor Jesus, dá-me uma fé firme, que me leve a rezar sempre, na certeza de ser  atendido pela misericórdia do Pai.

 VIDEO DE MEDITAÇÃO

  1. S. Paulo diz: É preciso orar  sem desfalecer…
  2.