12 02 Lc 21,34-36 Sábado 

Chris Tonietto - Evangelho do Dia (Lc 21,34-36) “Naquele tempo, disse Jesus  a seus discípulos: “Tomai cuidado para que vossos corações não fiquem  insensíveis por causa da gula, da embriaguez e das

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas

aquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Tende cuidado convosco, não suceda que os vossos corações se tornem pesados com a intemperança, a embriaguês e as preocupações da vida e esse dia não vos surpreenda subitamente como uma armadilha; porque ele atingirá todos os que habitam sobre a face da terra. Portanto, vigiai e orai em todo o tempo, para que possais livrar-vos de tudo isto que está para acontecer e comparecer sem temor diante do Filho do homem».
Palavra da salvação.

Reflexão

Jesus finaliza a instrução sobre o fim dos tempos aos seus discípulos e à multidão com estes avisos:

Cuidado para que os vossos corações não fiquem pesados pela devassidão, pela embriaguez, pelas preocupações do dinheiro, e não se abata repentinamente sobre vós aquele dia, como um laço… Estai acordados, portanto, orando em todo o momento, para terdes a força de escapar de tudo o que deve acontecer e de ficar de pé diante do Filho do homem”.

S. Lucas aponta a oração constante para acolher no amor e sem temor esse dia, mantendo o nosso contacto e diálogo com Deus, como fazia Jesus… Ele avisou: “Vigiai e orai para que não entreis em tentação, pois o espírito está pronto, mas a carne é fraca” (Mt 26,)

No ambiente que nos rodeia sentimos com dor a incredulidade e a indiferença religiosa. Se isto constitui uma dura prova à nossa fidelidade também é ocasião de amadurecer a nossa esperança. Sabemos em quem confiámos. Deus sai ao encontro de quem procura o seu rosto com coração sincero.

A oração vigilante expressa-se no trabalho e na convivência de cada dia, em ir ao encontro de muitos irmãos nossos que precisam de uma mão amiga. 

Como peregrinos em país estranho e sabendo que não temos aqui cidade permanente, caminhemos felizes ao encontro de Cristo que chega. Vem, Senhor Jesus! (Ap 22,20)

Ele nos satisfaz e apazigua a nossa ansiedade. Viver n’ Ele, com Ele e para Ele, garante-nos que quando chegar o nosso dia estaremos preparados e não seremos apanhados de surpresa.

.ORAÇÃO 

Bendizemos-te, Pai, porque nos amas com ternura.

Ensina-nos a contar os nossos anos na vossa presença para saber relativizar tudo o que não sois vós e viver sempre disponíveis para vós e para os irmãos.

Afasta do nosso coração o pecado; assim, quando vós vierdes encontrar-nos-ás com as mãos ocupadas na tarefa que nos mandaste fazer.

Entretanto, dizemos-vos : Vem depressa, Senhor Jesus!


******************************************************************************************************************************************************************************************************************

2023-12-02

Sábado da semana XXXIV


L 1 Dn 7, 15-27; Sl Dn 3, 82. 83. 84. 85. 86. 87
Ev Lc 21, 34-36

Comentário sobre as Leituras:

1. Leitura I (Dan 7, 15-27):

1.1 Contexto da Perseguição: A passagem descreve a visão de Daniel sobre a perseguição que o povo de Deus enfrentou e a vitória final de Deus.

1.2 Quatro Animais e Dez Chifres: Simbolizam reinos e reis, sendo o quarto animal e o chifre arrogante elementos de grande preocupação e perseguição.

1.3 Triunfo dos Santos: A visão destaca a vitória dos santos do Altíssimo, a intervenção divina para fazer justiça e a entrega final do reino aos santos.

2. Salmo Responsorial (Dan 3, 82-87):

2.1 Louvor e Exaltação: O salmo ressalta o louvor ao Senhor por diversas categorias, incluindo homens, Israel, sacerdotes, servos, espíritos, almas dos justos e santos humildes.

2.2 Refrão Recorrente: O refrão “Louvai o Senhor, exaltai-O para sempre” reflete a ênfase na adoração contínua e eterna ao Senhor.

3. Aleluia (Lc 21, 36):

3.1 Apelo à Vigilância e Oração: O Aleluia destaca a exortação de Jesus para vigiar e orar constantemente, permanecendo preparados para a vinda do Filho do homem.

4. Evangelho (Lc 21, 34-36):

4.1 Cuidado e Vigilância: Jesus adverte sobre a importância de não deixar os corações serem sobrecarregados pelas preocupações mundanas, enfatizando a necessidade de vigilância.

4.2 Exortação à Oração: Jesus destaca a importância da oração como meio de livrar-se dos eventos vindouros e comparecer diante do Filho do homem sem temor.

Interligação entre as Leituras:

  • A Leitura I destaca a vitória final dos santos do Altíssimo, enquanto o Salmo Responsorial sublinha  a adoração contínua ao Senhor por diferentes categorias de pessoas e seres.
  • O Aleluia reforça a mensagem de vigilância e oração, preparando-se para a vinda do Filho do homem.
  • O Evangelho amplifica a necessidade de vigilância, alertando contra a dissipação nos prazeres mundanos e enfatizando a importância da oração como meio de estar pronto para a chegada do Filho do homem.

Alusão a Nossa Senhora (Sábado):

  • Como é sábado, um dia tradicionalmente dedicado a Nossa Senhora na tradição católica, podemos fazer uma alusão à intercessão de Maria, Mãe de Jesus, para nos ajudar a permanecer vigilantes e preparados para a vinda do Senhor.

Em resumo, as leituras destacam a vitória dos santos, a importância da adoração contínua, a necessidade de vigilância, e a exortação à oração como elementos fundamentais para estar pronto para o encontro com o Filho do homem. A alusão a Nossa Senhora acrescenta uma dimensão de intercessão e auxílio espiritual neste caminho de preparação.

Liturgia diária

12 02 Lc 21,34-36 Sábado 

Agenda litúrgica



 

MissaAntífona de entrada Cf. Sl 84, 9
O Senhor fala de paz ao seu povo e aos seus fiéis
e a todos os que a Ele se convertem de coração sincero.

Oração coleta
Despertai, Senhor, a vontade dos vossos fiéis,
para que, correspondendo mais generosamente
à ação da graça divina,
recebamos maiores auxílios da vossa bondade.
Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus
e convosco vive e reina, na unidade do Espírito Santo,
por todos os séculos dos séculos.



LEITURA I (anos ímpares) Dan 7, 15-27
«A realeza e o poder serão entregues
ao povo dos santos do Altíssimo»

Esta passagem refere-se directamente à perseguição que o povo de Deus teve de sofrer em determinada época da sua história. Mas a última palavra será a da vitória de Deus, que Ele dará ao seu povo. Lida neste último dia do ciclo litúrgico e dentro da semana que se iniciou com a festa de Jesus Cristo, Rei do Universo, esta passagem proclama o sentido último da história do povo de Deus, que é a comunhão com Ele na glória do reino eterno, em que Jesus entrou pela sua Morte e Ressurreição.

Leitura da Profecia de Daniel
Eu, Daniel, fiquei com o espírito perturbado por causa do que acontecera, e as visões que me passaram pela mente encheram-me de pavor. Aproximei-me de um dos presentes e pedi-lhe que me dissesse o que significava tudo aquilo. Ele dirigiu-me a palavra para me explicar: «Aqueles grandes animais, em número de quatro, são quatro reis que se levantarão da terra. Os que irão receber o reino são os santos do Altíssimo; possuirão o reino para sempre e por toda a eternidade». Depois também quis saber o que significava o quarto animal, que era diferente de todos os outros, extremamente terrível, com dentes de ferro e garras de bronze, que comia e triturava tudo e calcava aos pés o que sobrava. Quis ainda saber o que significavam os dez chifres da sua cabeça e o outro chifre que surgiu e fez cair três dos primeiros, que tinha olhos e uma boca que dizia palavras arrogantes e parecia mais importante que os outros. – Enquanto olhava, vi esse chifre a fazer guerra aos santos e a levá-los de vencida, até que veio o Ancião e fez justiça aos santos do Altíssimo, porque chegou a hora de os santos tomarem posse do reino –. Ele então explicou-me: «O quarto animal significa um quarto reino que surgirá sobre a terra, diferente de todos os outros, que virá devorar, calcar aos pés e triturar a terra inteira. Os dez chifres significam dez reis que surgirão desse reino. Outro chifre se levantará depois deles: será diferente dos anteriores e abaterá três reis. Blasfemará contra o Altíssimo e perseguirá os seus santos. Tentará mudar as datas das festas e a Lei e os santos serão entregues nas suas mãos, por um tempo, dois tempos e metade de um tempo. Depois o tribunal divino abrirá a sessão e retirará o poder a esse rei, para lho destruir e arruinar definitivamente. A realeza e o poder e a grandeza dos reinos que existem debaixo dos céus serão entregues ao povo dos santos do Altíssimo. O seu reino é um reino eterno e todos os potentados O servirão Lhe prestarão obediência».
Palavra do Senhor.


SALMO RESPONSORIAL Dan 3, 82.83.84.85.86.87 (R. 59b)
Refrão: Louvai o Senhor, exaltai-O para sempre. Repete-se

Homens, bendizei o Senhor,
louvai-O e exaltai-O para sempre. Refrão

Bendiga Israel o Senhor,
louve-O e exalte-O para sempre. Refrão

Sacerdotes do Senhor, bendizei o Senhor,
louvai-O e exaltai-O para sempre. Refrão

Servos do Senhor, bendizei o Senhor,
louvai-O e exaltai-O para sempre. Refrão
Espíritos e almas dos justos, bendizei o Senhor,
louvai-O e exaltai-O para sempre. Refrão

Santos e humildes de coração, bendizei o Senhor,
louvai-O e exaltai-O para sempre. Refrão


ALELUIA Lc 21, 36
Refrão: Aleluia. Repete-se
Vigiai e orai em todo o tempo,
para vos apresentardes sem temor
diante do Filho do homem. Refrão


EVANGELHO Lc 21, 34-36
«Vigiai, para que possais livrar-vos
de tudo isto que está para acontecer»

Aquele dia sem ocaso, que sucederá aos dias que andamos vivendo sobre a terra, há-de ser esperado na vigilância e na oração, como numa longa Vigília Pascal, até que o sol nasça e a luz eterna brilhe para sempre em nossos corações. Aqui nos conduziu, a esta expectativa jubilosa, a longa caminhada do Tempo Comum, para nos fazer entrar, com desejos ainda mais fortes da vinda do Dia do Senhor, no Advento, em que a tarde deste dia, o último do Tempo Comum, nos irá introduzir. À tarde, com a Hora de Vésperas, começa esse Tempo do Advento, em que toda a oração se resume na mesma palavra com que terminou o Tempo litúrgico anterior: «Veni! Vinde!»

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Tende cuidado convosco, não suceda que os vossos corações se tornem pesados com a intemperança, a embriaguês e as preocupações da vida e esse dia não vos surpreenda subitamente como uma armadilha; porque ele atingirá todos os que habitam sobre a face da terra. Portanto, vigiai e orai em todo o tempo, para que possais livrar-vos de tudo isto que está para acontecer e comparecer sem temor diante do Filho do homem».
Palavra da salvação.



Oração sobre as oblatas
Recebei, Senhor, estes dons sagrados,
que nos mandastes oferecer em honra do vosso nome,
e fazei que, obedecendo sempre aos vossos mandamentos,
nos tornemos, também nós,
uma oblação agradável aos vossos olhos.
Por Cristo nosso Senhor.

Antífona da comunhão Sl 116, 1-2
Louvai o Senhor, povos de toda a terra,
porque é eterna a sua misericórdia.

Ou: Cf. Mt 28, 20
Eu estou sempre convosco até ao fim dos tempos, diz o Senhor.

Oração depois da comunhão
Deus todo-poderoso,
não permitais que se separem de Vós
aqueles a quem destes a graça
de participar neste divino sacramento.
Por Cristo nosso Senhor.