11 08 Lc 14 25-33 Quarta Feira  Quem quiser ser discípulo de Jesus, tem de se desprender  da família e dos seus haveres

«Quem não toma a sua cruz para Me seguir, não pode ser meu discípulo.» Lc 14, 25-33

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas

Naquele tempo, seguia Jesus uma grande multidão. Jesus voltou-Se e disse-lhes: «Se alguém vem ter comigo, e não Me preferir ao pai, à mãe, à esposa, aos filhos, aos irmãos, às irmãs e até à própria vida, não pode ser meu discípulo. Quem não toma a sua cruz para Me seguir, não pode ser meu discípulo. Quem de vós, desejando construir uma torre, não se senta primeiro a calcular a despesa, para ver se tem com que terminá-la? Não suceda que, depois de assentar os alicerces, se mostre incapaz de a concluir e todos os que olharem comecem a fazer troça, dizendo: ‘Esse homem começou a edificar, mas não foi capaz de concluir’. E qual é o rei que parte para a guerra contra outro rei e não se senta primeiro a considerar se é capaz de se opor, com dez mil soldados, àquele que vem contra ele com vinte mil? Aliás, enquanto o outro ainda está longe, manda-lhe uma delegação a pedir as condições de paz. Assim, quem de entre vós não renunciar a todos os seus bens, não pode ser meu discípulo».

Palavra da salvação.

REFLEXÃO

Seguir Cristo supõe renúncias. Um amor preferencial.

Na viagem de subida para Jerusalém, onde o esperava a sua condenação e crucifixão dirige a todos os discípulos estas palavras muito sérias : Aquele que não prescinda dos afectos familiares, que não tome a sua cruz e me siga, e que não renuncie a todos os seus bens “não pode ser meu discípulo”

Jesus pede abertamente a todo o discípulo o desapego da família e dos bens materiais, porque ambas as situações podem condicionar, dificultar e, às vezes, impedir o seu próprio seguimento.

Tem que haver razões muito fortes e convincentes para que Jesus se atreva a propor este programa. S. Paulo explica-o assim: “É doutrina segura: Se com ele morremos, com ele viveremos; se com ele sofremos, com ele reinaremos” (2Tm 2,1 ls). A partir desta perspectiva de vida em plenitude com Cristo não se tornam negativas, duras e difíceis de assimilar as recomendações de Jesus no evangelho de hoje.

Com esta mensagem Jesus mostra ao mundo uma nova maneira de ser, valorizando o homem na sua dignidade, libertando-o de tudo o que pudesse escravizá-lo e dominá-lo. Quando Ele nos diz “se alguém vem a mim”, Ele nos quer dizer que devemos amar como ele amou; viver como Ele viveu; sofrer como Ele sofreu; pensar como eu pensou.”

Jesus exige um amor incondicional a quem quer segui-Lo. E um amor assim implica desprendimento das coisas do mundo, humildade para reconhecer as fraquezas e os limites, coragem para enfrentar os desafios! O amor de Cristo é o coração de todos os seus amores. Por isso, todos os seus amores devem caber dentro do amor ao Senhor. Se não couberem, não são amor verdadeiro. Seguir a Cristo supõe a determinação de purificar todos os sentimentos do coração no amor a Jesus Cristo. Exigência forte, mas a única onde cabe o amor total!

ORAÇÃO

Obrigado, Senhor Jesus, porque nos chamaste a construir o vosso Reino de Paz e Amor.

Concedei-nos seguir-vos incondicionalmente sem desanimar diante da dificuldade e da incompreensão. Ajudai-nos a fazer nossos os vossos critérios e atitudes para participar da vossa condição gloriosa.