11 07 Terça-feira da semana XXXI

INTRODUÇÃO AO ESPIRITO DA CELEBRAÇÃO

Com gratidão e humildade, reconheço que pertenço ao Senhor, que sou parte de seu corpo, uma célula vibrante em sua criação divina. Assim como uma criança se sente segura e acolhida nos braços amorosos de sua mãe, assim me sinto quando estou envolto na presença do Senhor. É como se a aurora me envolvesse, trazendo consigo uma simplicidade e alegria que enchem meu coração de paz.

Nos momentos cotidianos, nas refeições simples e nas trocas fraternas da vida, encontro motivo para celebrar. Pois sei que é nesses momentos que o Senhor se manifesta de maneira mais sutil, nos pequenos gestos de amor e nas alegrias compartilhadas. Cada colher de sopa , cada sorriso, cada palavra de conforto, tudo é uma oportunidade de vivenciar a presença do Divino em nossa existência terrena.

Contudo, tenho a certeza de que esses momentos de comunhão e gratidão são apenas uma preparação para algo ainda mais grandioso, algo que transcende o efêmero e nos convida a uma festa eterna. É o banquete das núpcias celestiais, para o qual fomos gentilmente convidados pelo Senhor. É a promessa de uma união eterna, um encontro que nos aguarda no além, onde seremos recebidos nos braços amorosos de nosso Criador para uma celebração sem fim.

Que, nesse caminho de pertencer ao Senhor, possamos viver cada dia com alegria e simplicidade, como crianças nos braços de sua mãe, encontrando a beleza na rotina da vida material e espiritual. E que, ao final, possamos nos unir no banquete eterno, onde a alegria será plena e a gratidão será eterna.

Com gratidão e humildade, reconheço que pertenço ao Senhor, que sou parte de seu corpo, uma célula vibrante em sua criação divina. Assim como uma criança se sente segura e acolhida nos braços amorosos de sua mãe, assim me sinto quando estou envolto na presença do Senhor. É como se a aurora me envolvesse, trazendo consigo uma simplicidade e alegria que enchem meu coração de paz.

Nos momentos cotidianos, nas refeições simples e nas trocas fraternas da vida, encontro motivo para celebrar. Pois sei que é nesses momentos que o Senhor se manifesta de maneira mais sutil, nos pequenos gestos de amor e nas alegrias compartilhadas. Cada mordida, cada sorriso, cada palavra de conforto, tudo é uma oportunidade de vivenciar a presença do Divino em nossa existência terrena.

Contudo, tenho a certeza de que esses momentos de comunhão e gratidão são apenas uma preparação para algo ainda mais grandioso, algo que transcende o efêmero e nos convida a uma festa eterna. É o banquete das núpcias celestiais, para o qual fomos gentilmente convidados pelo Senhor. É a promessa de uma união eterna, um encontro que nos aguarda no além, onde seremos recebidos nos braços amorosos de nosso Criador para uma celebração sem fim.

Que, nesse caminho de pertencer ao Senhor, possamos viver cada dia com alegria e simplicidade, como crianças nos braços de sua mãe, encontrando a beleza na rotina da vida material e espiritual. E que, ao final, possamos nos unir no banquete eterno, onde a alegria será plena e a gratidão será eterna.

RODUÇÃO AO ESPIRITO DA CELEBRAÇÃO  

f

Este trecho ressalta a nossa relação com Deus e com a comunidade cristã. Somos parte do corpo de Cristo e, como tal, temos a responsabilidade de contribuir com os dons que recebemos para o bem de todos. Devemos abraçar a simplicidade e a humildade, como crianças confiantes e seguras nos braços da mãe.

Ao celebrar as refeições comuns da vida, estamos reconhecendo a importância de cada momento e aprendendo a valorizar as bênçãos cotidianas. Isso nos prepara para o banquete das núpcias eternas, um símbolo da união íntima e duradoura com Deus no Reino dos Céus.

Esta passagem nos convida a refletir sobre nossa relação com Deus, nossa comunidade e o propósito maior de nossa existência.

 Devemos viver com gratidão e generosidade, compartilhando os dons que recebemos e nos preparando para o banquete eterno que nos aguarda.

3azei-nos caminhar, sem obstáculos,para os bens por Vós prometidos.Essa parece 

1 Um novo dia para servir o Senhor

1.Vivemos cada dia igual e diferente mas cada dia tem a sua originalidade no serviço a Deus e ao irmão 

2. Na oração colecta vamos suplicar a Deus por um orientação divina ser uma prece ou uma súplica por orientação e ajuda divina para alcançar os bens prometidos por Deus 

Temos o camiho e a força do caminhar iluminados pela sua Palavra que nos convida novamente a sair de nós mesmos (egoismo, mundo privado) para nos dizer como S. Paulo nos diz Rm 12, 5-16a «Somos membros uns dos outros»  Somos membros de uma comunidade santa e pecadora  Salmo 130 (131), 1.2ab na simplicidade e na huildeae 3 como crianças ao colo da mãe a treinar o banquete celestial  celebrar o banquete do Senhor pois fomos convidados e todos os dias somos convidados para a Ceia do Senhor  EVANGELHO Lc 14, 15-24 «Vai pelos caminhos e azinhagas e obriga toda a gente a entrar,para que a minha casa fique cheia»