05/29 Sábado da Semana VIII

“Com que autoridade fazes isto?”

EVANGELHO, Marcos (11, 27-33)

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos  

A Autoridade de Jesus é Questionada

27 Chegaram novamente a Jerusalém e, quando Jesus estava passando pelo templo, aproximaram-se dele os chefes dos sacerdotes, os mestres da lei e os líderes religiosos e lhe perguntaram: 28 “Com que autoridade estás fazendo estas coisas? Quem te deu autoridade para fazê-las?”

29 Respondeu Jesus: “Eu lhes farei uma pergunta. Respondam-me, e eu lhes direi com que autoridade estou fazendo estas coisas. 30 O batismo de João era do céu ou dos homens? Digam-me!”

31 Eles discutiam entre si, dizendo: “Se dissermos: Dos céus, ele perguntará: ‘Então por que vocês não creram nele?’ 32 Mas se dissermos: Dos homens…” Eles temiam o povo, pois todos realmente consideravam João um profeta.

33 Eles responderam a Jesus: “Não sabemos”.

Disse então Jesus: “Tampouco lhes direi com que autoridade estou fazendo estas coisas”.

Palavra da salvação.

 

REFLEXÃO 

 Com que autoridade fazes isto? Perguntaram os sumos sacerdotes, os escribas e fariseus a respeito da expulsão que Jesus tinha feito no templo. Jesus viu a intenção maliciosa e fez um contra pergunta, de cuja resposta dependia a sua: O baptismo de João era coisa de Deus ou dos homens? Para não se comprometerem com Jesus nem com a multidão, responderam: Não sabemos. Então também ele guardou a sua resposta. 

Cristo amava o diálogo, mas também a sinceridade. Defendeu a sua dignidade com o silêncio pois a pergunta não significava simplicidade do coração e disposição aberta para crer, mas atitude crítica e fingimento de espírito

Só uma fé humilde pode ver Deus através do véu da humanidade de Cristo, através da sua palavra e nos irmãos mais pobres, assumindo a necessidade de conversão, amando os irmãos, especialmente os últimos, como fez Cristo, e, definitivamente, acreditando nele e em Deus Pai.

Com toda a certeza, os dons da fé não o conseguem os auto-suficientes, mas os homens e mulheres de boa vontade que respondem com simplicidade à poderosa ação de Deus, presente entre nós sob aparências humildes e, inclusivamente, desprezíveis às vezes.

Por isso, em certa ocasião, cheio da alegria do Espírito Santo, Jesus exclamou: “Dou-te graças, Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e entendidos e as revelaste aos pequeninos” (Lucas 10,21).

Ao escutar a palavra do Senhor, palavra de Salvação procuremos dispor o coração para a receber, com o cuidado de não deixar a minha mente perder-se em argumentações ou análises estéreis.

 

ORAÇÃO 

Senhor, vós dissestes: A verdade vos tornará livres. Vós ensinais os vossos caminhos aos humildes e simples, porque quereis reinar em corações nobres e generosos. Vem em nossa ajuda em cada opção, grande ou pequena, para que sejamos dóceis e fiéis à tua palavra. Amém.

 

CANTO DE MEDITAÇÃO 

“A tua palavra Senhor”