05/01 Sábado Semana IV

“Quem me vê, vê o Pai”

EVANGELHO João (14,7-14)

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João

 

Jesus, o Caminho para o Pai

Se vocês realmente me conhecessem, conheceriam também o meu Pai. Já agora vocês o conhecem e o têm visto”.

Disse Filipe: “Senhor, mostra-nos o Pai, e isso nos basta”.

Jesus respondeu: “Você não me conhece, Filipe, mesmo depois de eu ter estado com vocês durante tanto tempo? Quem me vê, vê o Pai. Como você pode dizer: ‘Mostra-nos o Pai’? 10 Você não crê que eu estou no Pai e que o Pai está em mim? As palavras que eu lhes digo não são apenas minhas. Ao contrário, o Pai, que vive em mim, está realizando a sua obra. 11 Creiam em mim quando digo que estou no Pai e que o Pai está em mim; ou pelo menos creiam por causa das mesmas obras. 12 Digo-lhes a verdade: Aquele que crê em mim fará também as obras que tenho realizado. Fará coisas ainda maiores do que estas, porque eu estou indo para o Pai. 13 E eu farei o que vocês pedirem em meu nome, para que o Pai seja glorificado no Filho. 14 O que vocês pedirem em meu nome, eu farei.

Palavra da Salvação

 

 REFLEXÃO

 Quem Me vê, vê o Pai.

O Apóstolo Filipe, anseia por ver a glória de Deus: «Senhor, mostra-nos o Pai e isto nos basta.» (vs. 8) O pedido tem uma resposta precisa: «Quem Me vê, vê o Pai.» (vs. 9) Pode ver-se a Deus (o Pai) só e na medida em que se acolhe a história de Jesus que se deve compreender e partilhar.

 Ver Jesus – diz-nos João no Evangelho – significa também escutar a sua Palavra e reconhecer na sua Palavra a Palavra do Pai (João 14,10). Só e unicamente em Jesus se pode ter a experiência e o conhecimento do Pai. As palavras do Filho são as do Pai. Como prová-lo? Como demonstrá-lo? Não existe outra argumentação que dispense a fé.

É verdade: as palavras de Jesus têm em si mesmas uma força de convicção, mas não ao ponto de obrigar o interlocutor a acreditar. É na carne, na história de Jesus que é preciso entender a transcendência do Pai. A resposta dada a Filipe é clara: não pode ser concedido nenhum «ver a Deus» aos discípulos, senão aquele tipo de «ver» que consiste em vislumbrar na presença histórica de Jesus o rosto do Pai.

A fé permite ao Pai levar adiante, através de nós, a obra da graça que começou no seu Filho: «Quem crê em mim fará as obras que eu faço» (João 14,12).

Deixemo-nos levar pela Confiança e entreguemos tudo o que somos e fazemos a esse Pai, que sempre nos espera.

 

Oração

Senhor Jesus Cristo, enviai sobre nós o Espírito Santo,

que nos dá o conhecer e o querer, e concedei-nos cooperar, em quanto nos for possível, com tudo o que depende de nós, de modo a tornarmo-nos templos do mesmo Espírito.

 

Cântico de Meditação:

Se crês em Deus